Eu tive 3 fases na minha vida:

Espiritualidade

Alimentar

Física

Parece engraçado, mas escrevendo agora, percebi que está justamente ao contrário, primeiro cuidados do físico, depois do que absorvemos e então evoluímos espiritualmente, esta seria, a forma "correta", mas até isso sou ao revés.

Dos 0 aos 18 anos de idade eu simplesmente vivi, sem me preocupar com nada, ou me preocupava apenas com o que viria no próximo dia. Quando mudei para o Rio de Janeiro capital aos 19 anos, para fazer faculdade eu passei a me dedicar a movimentos religiosos, nunca tinha feito isso antes na minha vida. Percebi um desequilíbrio absurdo nesta comunidade, todos eram sedentários e com péssimos hábitos alimentares. Isso me motivou a entrar na fase alimentar, fui atrás das melhores dietas disponíveis para o ser humano, me tronei referência neste assunto mas depois de um tempo percebi que faltava algo, eu ainda era sedentário. Agora estou imerso na fase física, estou cuidando do meu corpo como nunca cuidei, práticas esportivas diárias junto com uma alimentação saudável. 

Hoje com 40 eu olho para trás e vejo que perdi muito tempo julgando as pessoas, por seus hábitos, suas escolhas e eu mesmo nunca estava em equilíbrio. A minha jornada no campo da espiritualidade me fazia julgar os que se preocupavam com os animais, mas não usava esta energia para cuidar das crianças com fome no planeta, depois passei a julgar os que faziam algo mas não fazia outras coisas, até um dia que parei e disse: Chega de julgamentos.

Quando comecei a me dedicar ao site Polyamor, eu iniciei meus estudos neste assunto, para poder ajudar ao maior número de pessoas possível e ajudar a espalhar esta forma de viver, diferente da que todos acham que é a única forma possível, a monogamia.

Descobri que existem muitas variações de desejos, carências, fetiches, fantasias, vontades e todas elas necessitam serem respeitadas e não devem sofrer julgamentos, pois quem mais perde energia é quem julga, pois ele separa uma coisa da outra. Quem está sendo julgado segue sua vida normalmente. Tipo ter ódio de alguém, é pura perda de energia, pois quem fica com a energia ruim é quem carrega o ódio, quem é o odiado, não está nem ai. 

A energia do julgamento é a mesma coisa, ela somente te drena energeticamente.

Sendo assim não quero julgar ninguém com minhas postagens e palavras, caso você sinta que algo está escrito de uma forma que possa ofender quem quer que seja, por favor me avise. 

A evolução espiritual de cada um é um processo totalmente individual, conduzir uma relação poliamorosa de forma "errada" é tão subjetivo quando conduzir de forma "correta". 

Não existe uma receita rígida a ser seguida quando o assunto é amor ou relações inter-humanas.

Mas tudo pode?

Não.

Como saber o que pode e o que não pode?

Respeitar.

Tempo do outro

Sentimentos do outro

Idade do outro

Limitações do outro

Desejos do outro

Capacidades do outro

Valores do outro

Crenças do outro

Vontades do outro

Respeito é bom e nunca é demais, será?

Se respeitamos o tempo todo, como tiramos nossos parceiros da zona de conforto?

Se respeitamos o outro, também vamos saber quando fazer isso.

Sexo UNICÓRNIO sobre várias retaliações na internet, como um absurdo, como algo humilhante, etc....

Porém algo deve ser levado em conta, as 3 pessoas envolvidas nesta relação estão de comum acordo?

Sexo unicórnio pode ser o primeiro passo para uma relação poliamorosa.

Não sabe o que é sexo Unicórnio? clique aqui.​​​


O problema não está em uma pessoa ser um brinquedinho sexual de um casal, o problema esta em uma sociedade cada vez mais individualista e egoísta.

Mas quando o assunto é relações sexuais com consentimento fica a cargo das pessoas envolvidas decidirem se o envolvimento está sendo válido ou não.  O não julgamento aqui tem que vale da mesma forma que não julgar um homossexual. 

Existem relações mais respeitosas que o sexo unicórnio? sim existem, assim como existem relações mais saudáveis que poliamor, como por exemplo viver em comunidade. 

Sempre vamos ter uma opção pior e uma melhor na vida, o que está em questão aqui são duas coisas:

1) Não julgar

2) O Bom é amigo do ótimo


Ao contrário do que sempre ouvimos, bom é inimigo do ótimo, ou seja se pode fazer algo perfeito porque fazer algo mais ou menos.

Porém neste caso acho que o bom é amigo do ótimo, a relação de um casal com uma amante unicórnio pode realmente ser um passo para uma relação mais evoluída, envolvendo sentimentos, se é isso que as partes envolvidas desejam alcançar e quando eles desejem alcançar.

As relações sexuais que envolvem dor, também passam por muitos julgamentos, meu mesmo levei muito tempo para entender e parar de julgar: "esta pessoa só pode ser problemática", a questão aqui é muito parecida, e se a pessoa for problemática, o que eu tenho a ver com isso? e se lidar com a dor é um processo de cura? o que eu tenho a ver com isso? relações com dor desde que seja consentidas e não seja com menores de idade, ao contrário do que muito dizem, não é problema de ninguém exceto dos que estão realmente envolvidos.

Convido você a questionar seus valores em relação as outras pessoas e passar a gastar energia em gerar mudança em suas atitudes. O dia que eu passei a fazer isso me libertei de mim mesmo.


Escrito por

Daniel e Ana

Somos casal, somos sócios, parceiros, cúmplices de nossas aventuras, testemunho vivo de que é possível estar casado por 10 anos e se renovar sempre. Estamos em busca de encontrar nossa identidade dentro da nossa própria história. Acreditamos que compartilhar o pouco que se tem, é a chave para um mundo melhor.