Eu acredito que um relacionamento poliamoroso começa antes de você incluir qualquer pessoa em um relacionamento. Comigo foi assim.


Sou mulher bissexual e estou em um relacionamento há 10 anos com um homem. Nosso namoro foi monogâmico apenas no primeiro ano, mas depois de muitas conversas e no auge da confiança, decidimos abrir o relacionamento. Fizemos isso quando nosso relacionamento ia muito bem, e não quando ia mal. Acredito que quando um relacionamento vai mal é preciso ajustá-lo primeiro. Incluir outra pessoa em um relacionamento que está frágil pode ser um grande erro.


Não tínhamos informações na época sobre amor livre, ou poliamor, ou mesmo sobre relacionamento aberto. Hoje temos um relacionamento muito mais maduro nesse ponto, na época foi tudo muito intuitivo e inexperiente.


Minha primeira experiência poliamorosa foi um trisal com meu atual namorado e uma outra garota. Ficamos 8 anos juntos, e foi uma das melhores experiências que já vivi, nos amávamos muito, tínhamos cumplicidade, amizade e parceria. Éramos transparentes um com o outro e livres como o amor é em sua pura essência. É libertador amar em liberdade, é verdadeiro, é leve.


Mas nem tudo são flores então diria que foi necessário muito diálogo, carinho, compreensão, diria até que talvez mais do que em relacionamento monogâmico. É necessário expressar seus limites e conhecer os limites dos outros, é necessário paciência.


Os grandes desafios de viver relacionamentos não monogâmicos definitivamente é aprender a se libertar de sentimentos de posse, de inseguranças e ciúmes. Por isso, antes de começar é preciso trabalhar essas questões dentro de si. Aí sim o amor pode transbordar, e quando transborda, é maravilhoso.

Escrito por

Envio anônimo

Muitas pessoas contribuem com nosso site, mas não sentem confortáveis em revelarem suas identidades, sendo mudamos os nomes, cidades para preservar suas identidades. Polyamor ainda é um mito e muitas pessoas não aceitam que outras possa amar de uma forma diferente do padrão.