como começar trisal sem machucar muita gente

Chegou ao momento tão esperado, você e seu(a) parceiro(a) decidiram abrir o relacionamento para conhecerem alguém. Como fazer?

De preferência sem machucar ninguém, se isso é possível.


Temos várias possibilidades de conexão hoje em dia:

1) Grupo facebook sobre assunto

Grupo no face são complexos pois alí estão pessoas de todas as faixas vibratórias e gostos diferentes, a única coisa em comum é o fato de que todos alí buscam entrar em um casal ou um casal que buscam alguém para entrarem em suas vidas, isso falando da maioria, existem as variações, claro.


Percebi nestes anos todos que ter apenas isso em comum não é o suficiente. Então preferimos buscar pessoas que de alguma forma nos conecta com mais coisas, gostar de passear na natureza, filmes alternativos, músicas malucas e fora das listas das mais tocadas, que curte viajar, ver a lua e gosta de crianças. Digamos que estas são nossas prioridades, mas depois de achar alguém assim começa a surgir outras questões, se a pessoa “escolhida” quer fazer parte de um casal, se ela está disponível, se ela vai querer se conectar sexualmente, se este contato sexual vai ser com apenas uma das pessoas do casal ou com ambos. Por exemplo em uma relação HMH, não necessariamente os homens são bi.

Se eles moram perto e será um relacionamento contínuo ou esporádico, se será assumido ou discreto, se vai envolver morar junto ou encontros, se vai ser aberto ou fechado, se vai ser amoroso ou apenas sexual, ou apenas amoroso. São tantos requisitos que o melhor é começar aos pouco, pois logo no primeiro contato, tudo pode desmoronar e o casal já se expos, já teve expectativas e consequentemente isso irá gerar decepções e poderá machucar quem queríamos apenas conectar e dar muito carinho.

Além de ser de vagar este contato, para descobrir o que realmente se busca com tudo isso, o mais importante é: mesmo que seja tudo claro, opiniões mudam, conceitos mudam, máscaras caem. Entendeu como trabalhoso tudo isso parece ser?

E é mesmo. Trair, mentir, fazer escondido é muito mais fácil.

Se busca evoluir, se conhecer, se desafiar, Polyamor pode ser uma ferramenta, assim como praticar esporte, yoga ou meditação e muitas outras coisas, mas se busca algo mais suave, talvez apenas abrir o relacionamento sem interações entre os envolvidos, seja mais fácil. O convívio gera dor, desconforto. Ser solteiro com um gato em um sítio distante é muito mais fácil que morar com alguém em um condomínio com vizinhos.

Onde quero chegar? Como foi dito em uma postagem anterior, não existe receita pronta, mas o diálogo, respeito, transparência parece ajudar muito.

2) Tinder

O legal do tinder é que rola escolher raio de distância, 10km da sua casa, 100km e isso ajuda muito pois se queremos nos relacionar, estar perto super ajuda.

Porém conversar prévias, no whatsapp, por vídeo, marcar pequenos encontros é fundamental. 

O problema é a exposição que em alguns caso pode incomodar bastante e até afetar a vida pessoal e dos filhos de alguma forma.

3) Amigos próximos

Vantagem é que sabemos melhor com quem estamos lidando. Desvantagens é que se não souber fazer o primeiro convite pode estragar a amizade e no final, se expor ainda mais. 

Mas existem formas bem sutis para fazer isso: 

Assistir uma série juntos sobre o tema, compartilhar postagens do nosso site para sentir a opinião da pessoa escolhida ou do casal escolhido.

Indiretas sem assumir posturas fixas e sólidas. 

Existe uma linha tênue em ser sutil e ser superficial e falso, saiba a diferença e saiba que ser sutil sempre vai ser bom no início. 

Eu sou meio insistente para o primeiro encontro e super leve para os próximos. Gosto de fazer um super encontro e depois deixo a pessoa escolher se quer um segundo encontro ou não. Particularmente nunca curti estratégias de sedução, sempre as achei anti-natural. Não gosto de joguinhos e ceninhas. Mostro quem sou e se a pessoa curtir beleza, se não tudo certo, mas aos poucos que encontros a 3 são tão complexos que vale sim, uma boa dose de inteligência emocional.

Aqui vai uma dica de como eu acho que não deveria começar um trisal.

4) Em uma balada ou uma festa, uma pessoa aleatória

Interessante mas tem os mesmos problemas, da abordagem online. Além de gerar conexão superficiais. Pode ser um começo. 

No final tudo está em torno de energias boas e papo legal, ler para ter assunto, saber discutir vários assunto, não ser extremista, ser educado, suave e agradável, saber momentos criativos e super únicos, veja séries EU, TU ELA da NETFLIX, Isabelle "Izzy" Silva, foi super criativa em criar conexões.

No final tudo se resume em se tornar uma pessoa interessante para você mesma(o).

Mudamos o subtítulo de : como não machucar ninguém para, sem machucar muita gente. 

No final sempre alguém vai sair machucado se não der certo e se der certo todos os envolvidos continuaram machucados e cicatrizando suas feridas. 

Machucar é inevitável, ficar sofrendo é uma escolha, perdoar necessário, deixar claro os limites uma condição.

Escrito por

Daniel e Ana

Somos casal, somos sócios, parceiros, cúmplices de nossas aventuras, testemunho vivo de que é possível estar casado por 10 anos e se renovar sempre. Estamos em busca de encontrar nossa identidade dentro da nossa própria história. Acreditamos que compartilhar o pouco que se tem, é a chave para um mundo melhor.