1- Confundir as coisas

Poliamantes não tem nada a ver com amantes de orgia, swingueiros é uma coisa, poliamor é outra. Uma pessoa que vive a filosofia do poliamor é uma pessoa que valoriza o afeto, o carinho, um relacionamento de qualidade, enfim o amor. Quem curte orgia, curte relações rápidas, objetivas e vazias, justo o oposto do que buscamos. Então não entre no grupo achando que entrou no mercado livre, postando seu anúncio.


2- Não poste nuds

Fotos de pornografia, você chegaria em um grupo de 200 pessoas, tiraria a roupa para se apresentar? Precisa dizer algo mais?

3- Não confunda ainda mais as coisas

Se uma mulher curte ou esta vivendo uma relação a três, com dois homens, isso não significa que ela seja uma ninfomaníaca que vai querer transar com você. Significa que ela tem dois namorados e que quer estar com seus dois namorados.


4- Privacidade

Se achou alguém legal no grupo, peça no grupo para entrar em contato no privado, se seu objetivo é dar uma cantada. Somente entre no privado se for autorizado.


5- Postagens desnecessárias

Dar bom dia, boa tarde, boa noite, é relativo, veja o ritmo do grupo primeiro. Quer uma dica, fique uns dois dias em silêncio para sentir como é a vive da galera.


6- Carência

Não diga que o grupo é parado, proponha uma discussão madura e espere que o tema levante o interesse de todos.


7- Carência de superiores

Entre em contato no privado com os administradores apenas para assuntos realmente relevantes, use o grupo para expor suas idéias, ou você é daqueles que espera a aula acabar para ficar apurrinhando o professor.


8- Eduação 

Seja educado, delicado com as palavras, vulgaridades apenas 2% da população curte.


9- Cordialidade

Chegou se apresente, saiu, dá um tchauzinho. Ficar chamando atenção postando sempre as mesmas coisas é chato, ficar postando sua foto o tempo todo : “quem me quer?” Também é chato.


10- Argumentação 

Não tem argumento, não invente artigos científicos para justificar sua opinião. No poliamor não tem certo ou errado, não queira estar sempre certo. 

Uma vez o discípulo perguntou:

Mestre como faço para ser feliz?

R: Não queira ter a razão.

Escrito por

Daniel e Ana

Somos casal, somos sócios, parceiros, cúmplices de nossas aventuras, testemunho vivo de que é possível estar casado por 10 anos e se renovar sempre. Estamos em busca de encontrar nossa identidade dentro da nossa própria história. Acreditamos que compartilhar o pouco que se tem, é a chave para um mundo melhor.